Conheça mais sobre o The Hardest Run, movimento que reúne as pessoas que amam praticar esportes e de quebra ainda ajudam a quem tanto precisa.

Você já parou para pensar qual seria a maratona mais incrível a ser percorrida?

Para quem já foi chutando alguns nomes de provas realizadas aqui ou até mesmo em outros países, não, não é nada disso. Não é preciso ser nenhum expert do mundo das corridas ou então consultar o Google para matar a charada. A resposta é muito mais simples, mas nem sempre lembrada (e valorizada): a maratona da VIDA.

Para alguns, esta será uma maratona tranquila, com pista lisinha, sem muitas subidas, passadas largas e leves, clima perfeito, torcida animada presente e o trajeto percorrido com facilidade e aquele sorriso no rosto.

Já para muitos outros, ela será uma prova complicada, com pista esburacada, vários desníveis, passadas curtas e pesadas, tempo nublado, com pancadas de chuva e até mesmo frio. A torcida nem sempre estará presente e muitos trechos serão percorridos com apenas uma acompanhante: a solidão. O sorriso nem sempre vai aparecer e quando vier, pode ser tímido ou de nervoso.

Pois é, assim é a maratona de quem encara a prova mais difícil que pode existir: a luta pela vida de quem sofre de alguma doença e nem sempre encontra o suporte e a estrutura necessários para realizar o tratamento.  Mas como dizem por aí, ainda bem que os anjos existem. E muitos deles não têm asas, mas tênis de corrida, acredita?

porta-medalhas-corrida

The Hardest Run: a corrida pela vida!

Número 42.  Este é o número do tênis de corrida do ‘anjo’ e maratonista extremo, Marcelo Alves. É ele o idealizador da corrida The Hardest Run, que acontece em Curitiba, nesta quarta-feira, dia 1º de maio, e que vai reunir uma legião de 10 mil ‘anjos’ participantes da maior corrida de rua já realizada na cidade. E tudo isso em prol de uma causa muito nobre: ajudar na construção do Erastinho, o primeiro hospital oncopediátrico para o tratamento do câncer em crianças do Paraná.

É de arrepiar, não é mesmo? Então vem com a gente conferir o post lindo de hoje para se inspirar no movimento The Hardest Run que reúne as pessoas que amam praticar esportes e de quebra ainda ajudam a quem tanto precisa.

The hardest run Marcelo Alves
Maratonista extremo e idealizador do The Hardest Run: Marcelo Alves

Mas afinal, o que é a corrida The Hardest Run?

Nós já contamos em um post aqui no blog um pouco da história do Marcelo Alves e toda a sua trajetória, de sedentário a maratonista extremo. E sobre como ele acabou se envolvendo com a causa da doação de medula óssea, ele conta que quando foi fazer a sua primeira maratona extrema na Antártida, em 2012, além de estar realizando um sonho antigo, também descobriu que poderia ajudar a salvar a vida de uma pessoa em qualquer lugar do mundo, através da doação de medula óssea. Foi aí que ele decidiu abraçar a causa e levantar a bandeira de incentivo à doação.

E em 2017, o ato de levar a bandeira do ‘Doe Medula Óssea’ deu um passo maior, com a criação do movimento The Hardest Run (Corrida Mais Difícil, em tradução livre), que como Marcelo conta, no seu caso eram as provas de corridas mais difíceis, mas que existem os casos dos pacientes, as crianças doentes, em que a corrida mais difícil é pela vida mesmo.

E foi então que o movimento The Hardest Run tomou mais corpo, com o registro da marca, website, entre outras ações, inclusive a criação de uma campanha, em que as pessoas faziam cadastro no site e recebiam em casa um número de peito simulando um número de corrida. “[…]E nós conseguimos enviar 5 mil números para mais de 12 países diferentes. E as pessoas, a partir do momento que recebiam este número, elas tiravam foto praticando as atividades físicas com a #thehardestrunners e #rednumberteam e publicavam nas redes sociais. E este pessoal recebia uma vez por mês conteúdo de conscientização em prol da doação de sangue e medula”, diz ele.

Leia também:
[ENTREVISTA] Maratonista Marcelo Alves, um homem de extremos

Construção do Erastinho: do sonho à realidade

Sincronicidade. Esta é uma das palavras preferidas do Marcelo, e não é por acaso. Em 2018, ao participar de um evento, ele conta que sentou na mesma mesa que o superintendente do Hospital Erasto Gaertner, Adriano Lago. E em meio a um bate papo, Adriano comentou sobre a dificuldade em construir o Erastinho, que seria o primeiro hospital oncopediátrico do Paraná.

Para quem ainda não conhece, o projeto do Hospital Erastinho prevê a construção de 4.800 metros, com 39 leitos de internamento privativo e semi-privativo, consultórios e espaço recreativo para crianças e adolescentes que precisam de tratamento para o câncer.

The hardest run Erastinho
Projeto da fachada do Hospital Erastinho

E ao ver a maquete virtual do projeto, Marcelo conta que pensou em organizar uma corrida para tentar arrecadar fundos para a construção deste hospital. “[…]Só que tinha que ser uma coisa verdadeira e muito diferente. E com essas coincidências da vida, eu tive contato, em função de trabalho, com a Regina Arns, que é líder do grupo Diretiva RH, que tem grandes empresas. E ela achou bem legal a ideia da corrida e me chamou para apresentar este projeto para o grupo”, lembra o maratonista.

Marcelo conta que apresentou o projeto e conseguiu o apoio de diversas empresas. “[…]Foi feito todo um trabalho em que criamos cotas para as empresas, para que bancassem o custo da corrida e a inscrição fosse diretamente para o Hospital Erasto Gaertner. Isso deu muita credibilidade, muitas empresas abraçaram e por isso que deu certo”, diz Marcelo.

Sendo assim, como todo o evento é custeado pelas empresas patrocinadoras, o Hospital Erastinho receberá o valor total das inscrições, ou seja, R$1 milhão de reais.
Receberá não, já recebeu! No dia 1º de abril, faltando um mês para a corrida The Hardest Run, as inscrições foram esgotadas, atingindo os 10 mil inscritos previstos no projeto, uma vitória para Marcelo Alves!

“Foi incrível atingir a marca de 10 mil, eu estava muito confiante neste número. Sabia que era audacioso por ser a maior corrida de rua da história de Curitiba”, comemora Marcelo.

E além de contar com o apoio das empresas, Marcelo conta que teve a ajuda imprescindível de um grupo de mais ou menos 10 voluntários, que eram chamados de coelhos (em referência aos atletas que ditam o ritmo nas provas) e que sem a dedicação desta turma, a realização deste evento tão nobre e lindo não seria possível.

Trajetos da The Hardest Run

Seja para quem vai participar do evento ou para quem vai ficar apenas na torcida, apoiando os corredores, abaixo é possível conferir os percursos da prova realizada no dia 1º de maio:

Caminhada 3 km

Para quem vai participa do evento apenas caminhando, o trajeto será entre as ruas:

The hardest run trajeto caminhada

Corrida 5 km

Já para quem optou em correr 5 quilômetros, o trajeto da corrida vai acontecer na ruas:

The hardest run trajeto 5km

Corrida 10 km

Já para quem optou pelo trajeto mais longo de 10 quilômetros, o percurso será realizado nas ruas:

The hardest run trajeto 10km

Futuro do movimento The Hardest Run

Sobre os projetos futuros para o movimento, Marcelo Alves revela que está criando a Fundação The Hardest Run, já que o projeto ganhou uma grande proporção e há uma vontade muito grande para que tudo continue.

E a ideia é que esta Fundação consiga organizar uma corrida por ano, a princípio, inclusive com a possibilidade de fazer convites em outras cidades também. “[…] Mas tudo está sendo estudado, em função dos custos que isso gera. E a ideia é que a gente faça também uma curadoria para que todo ano este dinheiro arrecadado vá para uma instituição”, diz Marcelo.

E além de ajudar a quem precisa, Marcelo ressalta que um dos principais objetivos do movimento é chamar atenção da sociedade para diversas causas: “[…]Tem vários assuntos muito importantes que estão abandonados e o papel principal da fundação, do movimento The Hardest Run, é levar o holofote da sociedade para esses pontos, enfatiza ele.

Que lindo e inspirador o movimento The Hardest Run em prol da vida, não é mesmo? E seja participando das provas ou levando o seu apoio e torcida, o importante é participar e se doar, da maneira que for. E se for participar deste evento, seja realizando a prova ou agitando na torcida, conta para gente comentários, queremos saber!

porta-medalhas-corrida
E você, já garantiu o seu Porta Medalhas de Corrida? Corre e aproveita!

Com imagens e informações: noticias.conexaocorbelia.com; erastinho.com.br; gazetadopovo.com.br; corrida.thehardestrun.com.br

Deixe uma resposta